A Casa 2 – Ilusão: Maya

Vejam o vídeo sobre a Casa 2 (Maya) do tabuleiro Maha Lila:

O texto que Vajra Kika leu foi o seguinte:

Casa 2 – Ilusão: maya
         Nada é como lhe parece.
         Maya é um palavra em Sânscrito que literalmente significa “aquilo que mede ou dá forma”. É a maneira como podemos observar o mundo por meio das representações e imagens em nossas mentes, as ilusões.
Mas o que se guarda na memória nunca é 100% fiel ao ocorrido.
A infinidade de imagens que se vê faz parecer que existem coisas independentes umas das outras. Mas nada existe em separado no Universo. Seu corpo, por exemplo, não sobrevive sem o ar ao seu redor, sem o sol que o aquece e nem mesmo sem as bactérias que o acompanham em simbiose. Enfim, você nem mesmo existiria sem todas as coisas que estão à sua volta e até dentro do seu corpo.
Confundir essas imagens mentais com o mundo real leva da ilusão à delusão (Casa 6), criando o Véu de Maya que ofusca a percepção da unidade cósmica. São como nuvens que impedem de se ver o sol por trás delas. As nuvens existem, mas quando se dissipam se pode ver que o sol sempre esteve lá (metáfora criada por Shankara, mestre hindu do séc. VII).
Surgem os pensamentos sobre o que sou eu e o outro, o que é meu e o que é dele – de onde brotam os diversos sentimentos negativos expressos nas casas seguintes da primeira estação.
O filósofo hindu/americano Ramakrisna Puligandla (séc. XX) diz que Maya é fruto da ignorância de que existe marcada diferença entre as aparências e o real.

É por isso que a maior serpente do tabuleiro, da Casa 63 (escuridão: tamas), trás de volta o Caminhante Lila para cá.
A solução é simples mas não é fácil, como dizia Nisargadatta Maharaj : consiste “apenas” em compreender a ilusão das imagens e da dualidade e não embarcar em delusão.

Jogando o Maha Lila em Atibaia

Dia 04 de agosto de 2018, no Espaço Sírius em Atibaia se realizou uma partida de Maha Lila com muitos participantes .

Foram momentos de muito divertimento e …. autoconhecimento. Agradecemos à Patrícia Gross e ao Sérgio Falcetti essa oportunidade.

Vejam o vídeo:

Graciela Cohen, presentación del Libro Lilah

Tivemos o prazer de conhecer Graciela Cohen, diretora do Espaço Luz de Luna em Buenos Aires, Argentina, em dezembro de 2017. Autora do precioso livro “Lilah, el Juego del AutoConocimiento”, Gaia Editora, Madrid.
Embora em espanhol, vale a pena assistir este vídeo para conhecer um pouco mais do Jogo Maha Lila.
Maiores informações em: http://www.luzdeluna.org.ar/
Namastê!
Bia Blossom e Vajra Kika

Lilah O Jogo da Vida – com Lila Deneken no teatro

Lila Deneken é uma famosa cantora e compositora mexicana, e é tão querida pelo público, que leva o título de ser a cantora “Número Um” de seu país!
Neste vídeo temos a oportunidade de assistir  um trecho de uma peça de teatro que apresentou sobre “Lila, o Jogo da Vida e do Conhecimento”, interpretando todas as casas. Muito emocionante! Vale a pena assistir para conhecer os vários intérpretes deste jogo milenar.
Namastê!
Bia Blossom e Vajra Kika

 

Mensagens sobre pedras

Embora as misteriosas marcas e imagens talhadas ou pintadas em penhascos e pedregulhos do Ocidente sejam geralmente referidas como arte primitiva, é duvidoso que elas representem a arte como a entendemos hoje. Elas são esforços de comunicação e são mensagens com verdadeiros propósitos, como o são as assinaturas, sinais de trânsito, graffitis, símbolos religiosos, marcas comerciais, cartoons, sinais, letreiros, propagandas, símbolos secretos e matemáticos, todos eles servindo para

transmitir uma imagem mental de uma mente para outra. Portanto, assim chamamos este folheto intitulado “Mensagens sobre pedras”.

Se pudéssemos entrar nas mentes dos artistas “antigos” quando em prática, provavelmente encontraríamos pensamentos como estes:

1) Eu fiz uma ação poderosa. Quero que todos saibam sobre isto; 2) Este é o nosso território, vou publicar este aviso para manter os outros fora daqui; 3) Devo prestar homenagem aos meus deuses, criarei suas imagens e cerimônias; 4) Meus clãs e parentes são os melhores – reivindicamos esta área como nossa; 5) Este animal é importante para mim, penso muito sobre ele e vou desenhar a sua semelhança; 6) Estou aborrecido, vou desenhar algo para passar o tempo; 7) Eu tive um sonho estranho, talvez seja importante, uma imagem me ajudará a lembrá-lo; 8) Meus amigos e eu tivemos uma ótima cerimônia, vou registrá-la; 9) Voltei de uma longa jornada, tentarei mostrar meu caminho pela terra; 10) Meu chefe me pediu para vir aqui e colocar alguns sinais ao longo da trilha. Eu vou fazer isto o mais rápido possível; 11) Tenho um novo desenho artístico em mente, vou gravá-lo antes de esquecer o mesmo.

Autores do texto: William Michael Stokes e William Lee Stokes no livro Messages on Stones